domenica 24 luglio 2011

Fugaz di Moises Augusto

Foto: Kaveh H. Steppenwolf
 
Não mais que uma palavra e quase tudo se dissipa:
o vermelho escarlate das vaidades,
a tolice dos que se atolaram na mesmice,
a mecha rascunhada de preto no desenho do suicida.

De quebra,
o triunfo fugaz dos demagogos,
as promessas decantadas nos palanques,
a sordidez dos palácios e suas armadilhas,
o vazio do vazio que nada acrescenta
a não ser mais vazio...

O que fica?
A força da palavra suspensa sobre colunas de perguntas,
pronunciada sem parcimônias no dia das proibições,
persona non grata - de tão atrevida -,
seta certeira que atinge tendões de Aquiles
e flutua serena nas águas do mar que não se sabe morto.

Moisés Augusto Gonçalves, in Fragmentos Impertinentes

3 commenti:

  1. meraviglioso......

    RispondiElimina
  2. Grato pela publicação de meu poema!
    Um grande abraço do Brasil!

    Moisés Augusto Gonçalves

    RispondiElimina